Novoteca


Sebrae: Missão do Comércio Curitiba

http://sites.pr.sebrae.com.br/comercio/2013/11/22/segundo-dia/

Desacelere com um momento de equilíbrio! 
Pensar diferente, agir diferente e sentir diferente, esse é o conceito da La Panoteca.
Os empresários Oscar e Claudine buscaram equilibrar qualidade de vida e o seu negócio.
A loja conta com uma selecionada gama de pães feitos todos com farinhas integrais de trigo, centeio e cevada, pacientemente produzidos, permitindo que o fermento agregue sabor e aromas diferenciados, com um salão para lanches e chá da tarde, assim como três aconchegantes jardins externos, onde é possível saborear os produtos da loja.

La-Panoteca-Blog

Uma slow bakery em Curitiba

 

Publicado em 01.11.13 por Jussara Voss

http://www.revistaideias.com.br/?/gastronomia/994/uma-slow-bakery-em-curitiba/&PHPSESSID=4f72667541c0e95cba7d06181faa323d

Cinco voltas ao redor do mundo depois, o sonho tornou-se realidade, e eis que surge a La Panoteca. Quem entra ali, desavisado, não imagina como tudo aconteceu, vê o vai e vem de interessados pelos belos pães na vitrine, clientes degustando um sanduíche de chivito bem ao estilo uruguaio, por exemplo, sente no ar um refinamento low profile, elegante e simples ao mesmo tempo, e pode facilmente concluir que era por um espaço assim que Curitiba ansiava há muito tempo. Como se voltássemos no tempo, a começar pelo horário de atendimento, a padaria abre às 16h, isso mesmo, e fecha às 20h, tudo para que o alimento que fermenta ali possa crescer sossegado. E, quer saber, o pão é tão bom, mas tão bom, que nos dias seguintes, se aquecido, fica melhor ainda, ninguém precisa mesmo madrugar para ter bons produtos em sua casa.

O lugar impressiona, fiquei fascinada pelos pães de fibras integrais de fermentação natural – com o chamado levain – e pelo bolinho com doce de leite na primeira prova. Pelo menos, 15 tipos de pães estão a nos desafiar diariamente, exceto aos domingos e feriados, num repertório de mais de 25, inspirado nas danças das estações, nas experiências do padeiro e nas datas comemorativas, influenciando as fornadas.

Os donos propõem um desaceleramento, como se isso fosse possível nos nossos dias apressados, e não é que conseguem? Também valorizam o simples e gostam de comer bem. Buscam o equilíbrio e uma comida saudável. Acham que o gosto deve ser refinado, como aconteceu nessas paragens com o vinho e, agora, com a cerveja, então, procurar bons pães será apenas uma questão de tempo. Também carregam experiência, construída com muito trabalho. Um dia, pensaram que seria possível concretizar tudo o que acreditavam. Eles são Claudine e Oscar Luzardo, os donos da La Panoteca, que funciona, para o meu desespero, do outro lado da cidade, lá para os lados do parque Barigüi. “Que graça teria se fosse tudo fácil”, provoca, ouvindo o meu lamento.

Comida da antiguidade, está na Bíblia: “E farás pão com farinha de trigo bem fina, sem fermento”, isso porque, na véspera do êxodo, quando partiriam do Egito rumo à Terra Prometida, não teriam tempo para esperar crescer o pão, assim foi feito e é como é lembrado até hoje na chamada Páscoa do povo judeu; nos demais dias, o pão precisa do tempo de crescimento porque é nesse processo que as enzimas são liberadas pela ação dos micro-organismos e se dá o aproveitamento dos nutrientes, tornando-se um alimento completo e saudável, se feito com fermento natural e sem adição de bromatos e gorduras vegetais, que mascaram o produto. Depois vieram os irmãos Fleischmann longe de casa e com saudades dos pães da mãe e tentaram mudar tudo.

Mas o segredo da qualidade está mesmo na fermentação natural, que é lenta, tem seus caprichos, porém, com um resultado infinitamente melhor. O processo, que leva de quatro a oito horas, “alguns até dois dias”, conta o padeiro, é o que influi na porosidade, no sabor e na crocância do pão.

A história das cinco voltas em torno da terra começou por acaso, com uma amiga querendo arranjar uma namorada para o Oscar, “porque ele andava muito chato”. A paixão foi quase imediata e recíproca, só que, trabalhando em multinacionais, viajavam muito e moravam em cidades diferentes. Ele, uruguaio, da área de marketing e vendas na indústria de panificação, ela, paulista, engenheira de alimentos. Nos intervalos que a vida deu e nas férias, antes do casamento, um tempo morando no exterior, muitos cursos na Europa, passando inclusive pela famosa Le Cordon Bleu, de Paris, e em escolas curitibanas, além de visitas às feiras internacionais para se atualizarem nas novidades da área. Assim, foram planejando todos os passos até a escolha da cidade para a construção da La Panoteca e para morar com o filho, que completou a família, como nas românticas histórias de amor. “Nada acontece de um dia para o outro”, atesta Oscar, que sabe que a falta de pão pode deixar qualquer um com mau humor, sei disso, e que, diferentemente do que pensa a maioria, não engorda, pois são as fibras que ajudam a saciar a fome e prevenir doenças.

Da Bíblia também vem a origem de alimento sagrado, quando Jesus partiu o pão e deu aos seus discípulos como símbolo do seu próprio corpo. Para o casal, o respeito e a paixão pela vocação de fazer pães está na tradição e no resgate da panificação europeia e familiar. A prova disso é que na La Panoteca estão pães regionais de Portugal e do Uruguai, além de outros países por onde andaram e de onde vêm os laços familiares. Na conversa, Oscar vai contando uns segredos, como o de misturar vários tipos de farinhas, e das diferentes temperaturas que darão aroma e sabor, revelando que apesar de o trigo local ter melhorado, o produto da Argentina e do Uruguai ainda é melhor. Por isso, quem for até a La Panoteca encontrará pães e doces saborosos e simples. O casal acredita no que faz, persegue a ideia de que é possível ser feliz, mantendo o equilíbrio na vida, e aposta que o consumo de pão deva aumentar; de acordo com Oscar, estamos longe do preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é, no mínimo, de 60 kg por ano. E eu me pergunto, sendo mais saboroso e saudável, por que então não comemos mais pães naturais?

lapanoteca-a

lapanoteca-b

lapanoteca-c

lapanoteca-d

 

Dia Nacional dos Doadores de Órgãos

Publicado em 02.10.13

Nesse dia La Panoteca apoiou, ao Instituto para Cuidado do Fígado (ICF) que atende gratuitamente pacientes com problemas hepáticos. Os médicos do ICF orientam desde o diagnóstico das doenças do fígado até o término do tratamento, seja ele tomando remédios ou realizando um transplante. O serviço é prestado pela equipe médica do Centro Digestivo e Transplante de Órgãos (CDTO) e o atendimento é feito no Edifício ASA, em Curitiba.

Mais de 150 pessoas participaram do Dia Nacional dos Doadores de Órgãos na Boca Maldita, em Curitiba (PR), realizado no último dia 27 de setembro. Transplantados, familiares e médicos voluntários do Instituto para Cuidado do Fígado entregaram panfletos e tiraram dúvidas da população sobre doação de órgãos.

Todos vestiam a camiseta com a frase: “Doar órgãos é um gesto de amor”. A campanha tem como logomarca um coração formado por vários órgãos. A maior dúvida das pessoas que passaram pelo local é como doar órgãos. Muitos não sabem que hoje não precisa ter nenhum documento ou carta assinada, basta avisar a família que há o desejo de ser um doador após a morte. Mesmo assim, há uma recusa de 40% das famílias em doar os órgãos do parente falecido. “Pessoas de todas as idades podem ser potenciais doadores, é a condição médica no momento da morte que determina quais órgãos e tecidos poderão ser doados. Podem ser retirados para transplante o coração, córnea, ossos, rim, medula óssea, fígado, pulmão, pâncreas e pele”, explica Fábio Porto, médico e um dos fundadores do Instituto.

A iniciativa teve também apoio e participação do: SESC Fecomércio PR e Central Estadual de Transplante do Paraná (ambas com funcionários presentes); Hemepar Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná, com material de divulgação; e do Laboratório de Monogenética e Histocompatibilidade da UFPR, junto com funcionários e alunos do projeto de extensão conscientizando doadores de sangue e medula óssea.

A ação teve patrocínio da X Leme, La Violetera, X Med, Cantina do Délio, Banoffi, Estofaria, Canabenta, Batel Grill e Habib`s. Apoiam ainda os seguintes estabelecimentos: La Panoteca, Palladium Cabelereiros, 91 Rádio Rock, Seba`s Rock Bar, Restaurante Madalosso, Clinica Regattieri, Restaurante Palmier e Academia de Tênis Marco Silva. As empresas apoiadoras vestiram no dia seus funcionários com mais de 300 camisetas que apoiavam a causa.

La Panoteca Um lugar para cultuar o pão

Publicado em 05/09/2013 por Bom Gourmet

http://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/um-lugar-para-cultuar-o-pao/

http://www.jornaldelondrina.com.br/online/conteudo.phtml?id=1405741

Pães Panoteca, feitos com farinha escura. R$ 24,50 o quilo

Na correria do dia a dia, comer pão se torna algo tão rotineiro quanto escovar os dentes. Para quebrar essa banalidade, a La Panoteca, em Curitiba, aposta no conceito slow bakery, que valoriza o ato de apreciar os pães. A padaria fica no bairro Bigorrilho e abre de segunda a sábado, apenas das 16 às 20 horas. Segundo o proprietário, o uruguaio Oscar Luzardo, o horário de funcionamento, mais curto, está relacionado à ideologia da casa. “Dessa forma, conseguimos fazer a panificação de maneira mais artesanal,” diz.

Não há pães claros no cardápio da casa, aberta em dezembro de 2012. Todas as variedades – cerca de 20, que mudam a cada três meses seguindo as estações – são feitas com farinhas integrais de centeio, milho, entre outras. As influências no preparo são uruguaias e portuguesas. O carro-chefe é o pão que leva o nome da casa. A variedade Panoteca (R$ 24,50 o quilo) é feita com farinha escura. Outro destaque é o pão de queijo (R$ 36,20 o quilo), que ganhou cebola caramelizada.

A padaria oferece ainda outros quitutes, como sanduíches e doces. O bolo de tangerina com chocolate (R$ 45) e o típico uruguaio postre chajá (com merengue e pêssego – R$ 5,90 a unidade) trazem as influências do país natal de Luzardo. No menu de sanduíches, a atração principal é o chivito uruguaio (lembra um hambúrguer e é acompanhado de batatas ao murro – R$ 22,50). Há também três sabores de pizzas individuais, que custam a partir de R$ 15,90 (muçarela).

A La Panoteca funciona também como delicatessen e vende queijos, frios e vinhos. Quem quiser pode degustar os pães, doces e salgados no próprio local, que tem capacidade para 50 pessoas. Para experimentar diferentes opções, a padaria oferece uma degustação que custa R$ 9,20 por pessoa. O cliente degusta quantas variedades quiser, acompanhadas de geleias espanholas (uma de morango e mel e outra de laranja e mel). Se preferir, por R$ 7,50 pode degustar dois tipos de bolos doces do dia.

panoteca_2_050913

panoteca_3_050913

panoteca_4_050913

panoteca_5_050913

panoteca_6_050913

panoteca_7_050913

panoteca_8_050913

panoteca_9_050913

panoteca_10_050913

panoteca_11_050913

panoteca_12_050913

panoteca_13_050913

panoteca_14_050913

panoteca_15_050913

panoteca_16_050913

panoteca_17_050913

panoteca_18_050913

panoteca_19_050913

panoteca_20_050913

panoteca_21_050913

panoteca_22_050913

panoteca_23_050913